Entenda

Conheça o protocolo odontológico para pacientes oncológicos

Protocolo odontológico para pacientes oncológicos

Por ser uma doença que aumenta a cada dia em número de casos, é fundamental que o cirurgião-dentista saiba como oferecer um atendimento de qualidade

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), estima-se que cerca de 600 mil novos casos de câncer são diagnosticados no Brasil anualmente. Além de desafiar enfermeiros e médicos, a doença também impacta os profissionais de odontologia, que devem adotar um protocolo odontológico para pacientes oncológicos.

Os cuidados com a saúde bucal são indispensáveis antes, durante e após o tratamento do câncer. No entanto, o ideal é que o paciente seja examinado pelo cirurgião-dentista para que o tratamento odontológico seja feito antes do oncológico.

Neste artigo, produzido pela redação do Centro de Desenvolvimento em Odontologia (CDO), você irá entender como atender pacientes nessa modalidade e quais os passos depois do diagnóstico. Boa leitura!

Entenda o protocolo odontológico para pacientes oncológicos

Pacientes oncológicos devem ser examinados pelo profissional assim que descobrem a doença, e como mencionado acima, o tratamento dentário deve ser feito, preferencialmente antes. Esse processo deve examinar todas as especialidades odontológicas, considerando a condição clínica do enfermo.

A quimioterapia e a radioterapia, tratamentos contra o câncer, são capazes de trazer inúmeros efeitos colaterais na cavidade oral, como ulcerações, infecções, hemorragias e outros problemas. Quando essas adversidades não são cuidadas da forma adequada, provocam dificuldades nutricionais, sociais e emocionais, afetando a qualidade de vida desses pacientes.

Logo, deve existir um atendimento integrado: médico e dentista, que trabalharão na prevenção, diagnóstico e tratamento correto.

O primeiro passo é preencher a anamnese, um documento substancial para que os dentistas planejem e estudem processos seguros e façam diagnósticos precisos. É neste ponto que os profissionais terão o contexto da doença e entenderão a etapa que o paciente está.

Depois, é necessário planejar o protocolo odontológico para pacientes oncológicos, que pode ser dividido em três fases: prévia, durante e posterior.

Tratamento prévio

Os métodos precedentes devem ser compostos por:

  • Exame clínico;
  • Avaliação radiográfica;
  • Tratamento endodôntico;
  • Selamento de lesões e cáries;
  • Tratamento periodontal;
  • Correção de próteses;
  • Troca de restaurações infiltradas.

O acompanhamento do profissional de odontologia com a equipe oncológica deve ser feito também nas fases aguda, imunossupressão, internação hospitalar e nas etapas de melhora e doença assintomática.

É preciso ressaltar que o planejamento do tratamento odontológico também é responsabilidade do dentista – é importante focar nos treinamentos de higiene bucal, especialmente quando se trata crianças, que são dependentes dos pais e não têm tanta autonomia e coordenação.

Atendimento odontológico durante as terapias contra o câncer

Nesta fase, o dentista deve acompanhar o paciente em todas as etapas, inclusive em situações de internação. É necessário conversar e tirar dúvidas conforme a necessidade do enfermo e atuar com os sistemas corretos.

Quais são as complicações orais mais comuns?

Ao adotar um protocolo odontológico para pacientes oncológicos, saiba que a hemorragia é um dos casos mais previsíveis. Por conseguinte, antes de realizar qualquer tipo de cirurgia, o dentista deve fazer os exames com a contagem de plaquetas.

Caso o número esteja abaixo ou igual a 75.000 plaquetas/mm³, o intermédio deve ser evitado. Se for exigida uma cirurgia, o cirurgião-dentista deve avaliar a situação com a equipe médica.

A mucosite também é um dos distúrbios com maior incidência e mais dolorosos. Ela se define como uma “alteração na textura e coloração da mucosa”, em razão à atrofia do epitélio, que surge com sintomas de dor leve e grave, seguindo o grau de perda tecidual e agressão por patógenos.

Ela surge em consequência da quimioterapia de grande dosagem em pacientes que passam pelo transplante de medula óssea e pela exposição à radioterapia.

Infecções

As infecções em decorrência dos tratamentos oncológicos são variadas, e muitas delas já existem antes mesmo das terapias. Elas podem ser de origem endodôntica ou periodontal, e podem desenvolver um problema local ou sistêmico.

As infecções mais comuns são:

  • Bacterianas: neste caso são tratadas com antibióticos que atuam na microbiota local ou que estejam alinhados ao resultado da hemocultura;
  • Hepáticas: comuns em pacientes com neoplasia maligna e podem se desenvolver em qualquer área da boca. Normalmente são tratadas de forma sistêmica;
  • Candidíase: esta pode causar infecção sistêmica em pacientes neutropênicos, e utilizam lesões ulcerativas como porta de entrada.

Conheça nosso curso de atualização em Periodontia

Extração dentária pode?

De modo geral, quem tem câncer pode fazer a extração de dentes. Porém, há casos e momentos do tratamento em que o oncologista pode não autorizar a operação. As preocupações envolvem o risco de infecção, possíveis sangramentos e hemorragias e também a capacidade de cicatrização.

Por isso que a adoção de um protocolo odontológico para pacientes oncológicos mencionado antes é imprescindível, pois orientará toda a equipe sobre os cuidados essenciais. A equipe deve avaliar qual a melhor opção para cada caso.

Os cuidados depois de extrair um dente incluem repouso, higienização da ferida, alimentação líquida ou pastosa nos primeiro dias e prescrever a medicação necessária. Caso ocorra qualquer eventualidade, oriente paciente e familiares que comunique urgentemente a equipe médica e o cirurgião-dentista.

Por outro lado, caso o paciente não seja autorizado a realizar esse tipo de tratamento naquele momento, os dentistas devem utilizar outros métodos para que a situação não piore, até que se torne seguro realizar a extração.

Depois dos tratamentos

A última etapa do protocolo odontológico para pacientes oncológicos é o pós-tratamento. É comum que aqueles que passaram por diversos procedimentos agressivos apresentem problemas na saúde bucal. Por isso, após se recuperar, eles precisam passar por uma avaliação no dentista para identificar possíveis problemas.

Avaliações periódicas devem ser feitas para eliminar placas bacterianas e raspagem gengival podem ser realizadas, além de restauração definitiva, bochechos e mecanismos com laser.

Você está no blog do Centro de Desenvolvimento em Odontologia (CDO), uma nova marca de cursos de imersão, aperfeiçoamento e especialização odontológica do Brasil.

Somos integrantes da holding de saúde SERMED e temos como objetivo capacitar e especializar acadêmicos e profissionais dentistas nas áreas mais promissoras da odontologia.

Todos os cursos odontológicos do CDO possuem emissão de certificado de conclusão e são ministrados por profissionais atuantes e referências no atendimento especializado.

Siga nosso perfil no Instagram e seja avisado sobre novos conteúdos e turmas abertas!

Em alta

Tipos de candidíase na boca – causas e sintomas

Entenda o que causa candidíase em seus pacientes, os fatores de risco e tratamentos disponíveis. Esta infecção fúngica pode surgir por …

Ler matéria

Curso para aplicação de botox: quem pode fazer?

A aplicação da toxina botulínica é um dos procedimentos mais buscado em clínicas odontológicas por todo o país. Saiba como atuar nessa área!

Ler matéria

Quais são os músculos da face? Anatomia facial

Em um rosto existem diversos músculos que desempenham determinadas funções, como a reprodução de movimentos. Conheça agora quais são!

Ler matéria

Sintomas de disfunção temporomandibular e dor orofacial

A disfunção temporomandibular (DTM) é uma síndrome que atinge milhares de pessoas, independente da idade, sexo e raça, sendo muito mais comuns em mulheres adultas. Ao se especializar na área, o dentista será capaz de compreender as características das articulações maxilares, os músculos responsáveis pela mandíbula e poderá identificar os sintomas de disfunção temporomandibular e […]

Ler matéria

Como identificar cárie na radiografia panorâmica?

Você sabia que a radiografia é uma das principais formas de diagnosticar cárie? Veja o que é e como ela pode auxiliar no seu consultório!

Ler matéria

O que é pulpectomia e quem deve fazer?

Este procedimento odontológico faz a remoção da polpa dentária infectada ou doente. A pulpectomia costuma ser uma das etapas do tratamento …

Ler matéria

Outras matérias

O que é odontologia do trabalho

O que é odontologia do trabalho? Qual é a sua importância? 

Entre as especializações do dentista existe a Odontologia do Trabalho, ela visa acompanhar e prevenir as doenças bucais dos trabalhadores!

O que é infecção cruzada na odontologia?

O que é infecção cruzada na odontologia?

Um desafio para os dentistas na rotina de consultório é a infecção cruzada. Conheça os riscos e saiba como fazer a prevenção em sua clínica!

Quais são os tipos de sutura odontológica

Quais são os tipos de sutura odontológica?

Você conhece os principais tipos de sutura odontológica? Saiba que elas são imprescindíveis para a cura do tecido após incisões. Entenda!

Quais são os tipos de sedação em odontologia?

Quais são os tipos de sedação em odontologia?

Este é um procedimento adotado pelo cirurgião-dentista e pelo anestesista para oferecer maior conforto ao paciente durante um determinado …