Endodontia

O que é pulpectomia e quem deve fazer?

O que é pulpectomia

Muito comum na Odontologia, este é um procedimento que tem por objetivo remover a polpa dentária infectada e que provoca dor em um paciente.

Primeiro, para entender como o procedimento funciona, é preciso conhecer a estrutura dentária. O dente de todo mundo tem um tecido interno chamado polpa, macio e sensível. Na parte externa, temos o esmalte e a dentina, mais duros e até sem vida.

Só que, quando essas camadas externas são danificadas, a interna acaba comprometida e provoca dores. 

Aqui no CDO temos várias opções de especialização que vão te ajudar a ampliar os seus conhecimentos práticos e teóricos. Conheça nossos cursos aqui e faça sua matrícula!

Veja também: O que é lip lift?

Entenda o que é pulpectomia 

De modo geral, a pulpectomia é a remoção da polpa dentária, desde que ela esteja danificada. O procedimento é adotado para evitar a extração do dente.

Similar ao canal, o procedimento da pulpectomia envolve a extração da polpa do dente, o que fará com que ele perca os estímulos mecânicos e térmicos.

A complexidade da pulpectomia dependerá de fatores como o tamanho do dente, a anatomia do paciente e os equipamentos que serão usados.

Geralmente, antes da realização da pulpectomia, o profissional solicita exames radiográficos para entender a complexidade do procedimento.

Quem deve fazer a pulpectomia?

Normalmente, a pulpectomia é indicada para bebês ou crianças com dentes danificados. Por que? Porque ainda possuem os dentes decíduos, ou dentes de leite, cujas raízes são mais curtas que as permanentes e, por isso, são absorvidas pelo organismo.

Porém, este tipo de tratamento também pode ser realizado em adultos para neutralizar dores ou eliminar microorganismos da polpa que podem comprometer a saúde tecidual.

Então, para evitar que o dente seja extraído, utiliza-se a pulpectomia para preencher o espaço vazio do canal.

Existem algumas situações em que a pulpectomia é recomendada, tais como:

  • Dores espontâneas;
  • Irritação com estímulos quentes;
  • Sintomas de irreversibilidade inflamatória;
  • Situações em que sinais de irreversibilidade se confundem com os de reversibilidade.

Como é feita a pulpectomia?

Depois de explicar o que é pulpectomia e as situações em que o procedimento é recomendado, vamos detalhar aqui a forma como ele é feito.

A pulpectomia é parecida com o canal. Mas, a diferença entre eles é que, na primeira, há a remoção completa da polpa da coroa e raízes. Já no segundo, o dente recebe coroa permanente ou um preenchimento.

Para ajudar no correto diagnóstico, o dentista deve solicitar a realização de um raio-x pelo paciente para identificar supostas infecções, além de avaliar o formato dos canais.

Já na realização do procedimento, o profissional deve aplicar o anestésico e remover a polpa dentária por perfuração. Depois disso, o dente é limpo, desinfetado para, em seguida, preparar o preenchimento. Assim como na raíz decídua, este material também é absorvido pelo organismo.

E depois da pulpectomia?

O procedimento é simples, então, não requer tanto repouso. Primeiro, o paciente deve evitar a ingestão de alimentos durante o efeito da anestesia. Caso a infecção seja muito forte, o dentista pode prescrever algum antibiótico para auxiliar na recuperação.

É normal, também, que a área fique inchada ou sensível alguns dias após a pulpectomia. 

O dentista deve ser procurado, no entanto, quando:

  • Houver aumento de sensibilidade;
  • Sentir dificuldade ao mastigar;
  • Dor crescente;
  • Novas inflamações ou infecções;
  • Dores prolongadas.

Quando a pulpectomia não é suficiente?

Você, como profissional da Odontologia, deve ser capaz de avaliar o tipo de tratamento recomendado para cada situação.

Em muitos casos, a pulpectomia não é suficiente. O quadro envolve, então, verificar a situação do dente, a profundidade da infecção e extensão do dano.

Principais doenças pulpares

Dependendo da situação, o paciente pode sofrer de problemas crônicos de lenta evolução ou ter um agente agressor que provoca uma evolução aguda que exigirá a adoção de uma pulpectomia.

Algumas das doenças pulpares mais comuns são:

  • Pulpite Irreversível Sintomática;
  • Pulpite Reversível;
  • Pulpite Irreversível;
  • Pulpite Irreversível Assintomática.

Dá para evitar a pulpectomia?

Sim, começando pela higiene bucal. Isso reduz os riscos de cáries e mantém os dentes mais saudáveis. Escovar sempre após as refeições, usar fio dental e, claro, ir ao dentista regularmente.

Outra forma de evitar o surgimento de cáries ou infecções é substituir bebidas açucaradas por leite ou água. Também, evitar traumatismo dentário, como quedas ou até a prática de esportes de impacto. Nestes casos, a recomendação é usar protetores bucais.

A endodontia é uma área fascinante e permite ao profissional de odontologia ampliar seu campo de atuação. Se você chegou até aqui na busca por informações para entender o que é pulpectomia e outros temas odontológicos, que tal conhecer nossos cursos de especialização? São mais de 10 opções com matrículas abertas, clique aqui e reserve já a sua vaga.

Em alta

Tipos de candidíase na boca – causas e sintomas

Entenda o que causa candidíase em seus pacientes, os fatores de risco e tratamentos disponíveis. Esta infecção fúngica pode surgir por …

Ler matéria

Curso para aplicação de botox: quem pode fazer?

A aplicação da toxina botulínica é um dos procedimentos mais buscado em clínicas odontológicas por todo o país. Saiba como atuar nessa área!

Ler matéria

Quais são os músculos da face? Anatomia facial

Em um rosto existem diversos músculos que desempenham determinadas funções, como a reprodução de movimentos. Conheça agora quais são!

Ler matéria

Sintomas de disfunção temporomandibular e dor orofacial

A disfunção temporomandibular (DTM) é uma síndrome que atinge milhares de pessoas, independente da idade, sexo e raça, sendo muito mais comuns em mulheres adultas. Ao se especializar na área, o dentista será capaz de compreender as características das articulações maxilares, os músculos responsáveis pela mandíbula e poderá identificar os sintomas de disfunção temporomandibular e […]

Ler matéria

Como identificar cárie na radiografia panorâmica?

Você sabia que a radiografia é uma das principais formas de diagnosticar cárie? Veja o que é e como ela pode auxiliar no seu consultório!

Ler matéria

Quais são os tipos de sedação em odontologia?

Este é um procedimento adotado pelo cirurgião-dentista e pelo anestesista para oferecer maior conforto ao paciente durante um determinado …

Ler matéria

Outras matérias

Dicas de marketing digital para dentistas

Dicas de marketing digital para dentistas

As formas de divulgação mudam constantemente e é importante saber quais ferramentas usar para captar novos pacientes. Para isso, …

Como ser um dentista de sucesso

Como ser um dentista de sucesso?

Para ter sucesso na odontologia é essencial encarar sua carreira com visão empreendedora, investindo em capacitações e na imagem profissional!

Quais são os tipos de sedação em odontologia?

Quais são os tipos de sedação em odontologia?

Este é um procedimento adotado pelo cirurgião-dentista e pelo anestesista para oferecer maior conforto ao paciente durante um determinado …

O que é a homeopatia na odontologia

O que é a homeopatia na odontologia e para que serve?

A homeopatia é utilizada na odontologia como um complemento ao tratamento convencional oferecido nos consultórios. Veja como se especializar!