Cirurgia

Como calcular anestesia odontológica?

Como calcular anestesia odontológica

Uma das partes mais importantes dos cuidados com a saúde humana é o alívio da dor. São incontáveis as doenças e procedimentos clínicos que causam desconforto aos pacientes, o que torna as soluções anestésicas elementos essenciais das medicinas e da odontologia, como por exemplo o caso de como calcular anestesia odontológica.

Considerando isto, é importante compreender o conceito de anestesia, a fim de entender seus desdobramentos e aplicações. Na prática, o termo se refere à ausência temporária da sensibilidade, incluindo dores e desconfortos, induzida por agentes anestésicos diversos.

Embora exista uma área da medicina que se dedique ao estudo desses conhecimentos de maneira aprofundada (a Anestesiologia), o uso de agentes anestésicos faz parte do cotidiano de diferentes especialidades que cuidam da saúde, com destaque para a odontologia.

Inclusive, este tema é tão relevante que nós do Centro de Desenvolvimento em Odontologia (CDO) criamos um curso de imersão em técnicas anestésicas. Nele, os profissionais aprendem sobre:

  • Técnicas e conceitos consagrados na anestesiologia odontológica;
  • Acidentes anatômicos e bloqueios tronculares;
  • Inervação e musculatura facial;
  • Atuação clínica para pacientes sistemicamente comprometidos.

Para que você compreenda melhor o assunto, vamos aprofundar as explicações sobre ele neste artigo. Boa leitura!

Quais são as anestesias usadas na odontologia?

Antes de explicar como calcular anestesia odontológica, precisamos lembrar que quando falamos sobre agentes anestésicos na odontologia, é preciso ressaltar as individualidades.

O termo “anestesia” é um guarda-chuva e abrange diversos tipos, indicados em situações específicas, de acordo com o procedimento e o diagnóstico de um paciente.

Podemos citar como os principais tipos a anestesia local, geral, a sedação e os cremes anestésicos. Embora todos esses compartilhem a mesma função de inibição ou bloqueio da sensibilidade e da dor, eles são vastamente diferentes entre si.

Mesmo dentro dessas possibilidades existem divisões, as quais consideram os fatores associados com a sua necessidade. Assim como varia o agente anestésico, mudam os métodos de aplicação, as contraindicações e, consequentemente, as quantidades usadas.

No caso de desconfortos “suportáveis”, é comum que dentistas dispensem o uso de agentes anestésicos. Apesar da dor ser algo negativo para o paciente, ela cumpre o papel imprescindível de informar sobre a natureza e a intensidade de um problema bucal.

Quais são as utilizações da anestesia na odontologia?

Ainda não vamos falar sobre como calcular anestesia odontológica porque é importante entender mais sobre o tema.

Assim como acontece com os tipos de agentes anestésicos, as situações para as quais eles são indicados e nas quais são usados também são diversas. Mais do que isso, usos específicos andam de mãos dadas com determinados produtos e suas recomendações.

Isso acontece porque cada agente anestésico tem um efeito diferente. Uma anestesia geral, por exemplo, bloqueará a sensibilidade, mas também acarretará na perda momentânea de consciência do paciente, o que não é indicado para uma variedade de procedimentos.

Considerando tudo isso, anestésicos são usados para procedimentos simples e complexos, de acordo com a dor experienciada pelo paciente. Para os exemplos de procedimentos que requerem a anestesia, vamos usar os tipos mencionados no tópico anterior.

Para saber como calcular anestesia odontológica, entenda que as locais e cremes têm como usos o tratamento de cavidades dentárias, extrações, procedimentos estéticos e alguns tipos de implantes.

No caso de procedimentos cirúrgicos e correções maxilofaciais, a anestesia geral costuma ser a escolha mais indicada.

Por último, é interessante mencionar que, por sua versatilidade, a sedação é um dos métodos mais usados de anestesia. Além dos fatores relacionados aos desconfortos físicos, ela também ajuda em casos de pacientes com questões psicológicas, como ansiedade e medo.

Quem pode aplicar anestesia na odontologia?

Levando em conta todos os “poréns” trabalhados até aqui, não basta saber como calcular anestesia odontológica, pois existe a questão de quais profissionais podem aplicar os diferentes agentes anestésicos.

Os cremes, anestésicos locais e sedação podem ser usados por qualquer odontologista formado.

A anestesia geral, por outro lado, é uma questão diferenciada. Por conta do impacto ao corpo humano causado por esse tipo de agente anestésico, o dentista deve estar acompanhado de um médico anestesista geral, que cuidará especificamente desse elemento.

Esse aspecto, inclusive, ajuda a responder a pergunta do título. Embora seja importante que odontologistas compreendam como se calcula a anestesia para cada paciente, é igualmente válido compreender que a geral deve ser administrada por outro profissional.

Como calcular anestesia odontológica?

A fim de chegar na resposta para a pergunta do título, era essencial que os elementos anteriores desse texto fossem delineados. A partir deles, já podemos deduzir que a quantidade de uma determinada anestesia irá variar de acordo com o agente anestésico.

No caso dos anestésicos locais (que vão ser o foco aqui), a margem de segurança é grande, o que garante a proteção dos pacientes mesmo em situações em que os cálculos desconsideram algum fator crucial. Mesmo assim, o odontologista deve ter o máximo cuidado.

O primeiro elemento a ser considerado ao entender como calcular anestesia odontológica é a mg ou ml do agente anestésico, de acordo com a concentração dele. Em seguida, será descoberto o peso corpóreo do paciente. O passo seguinte é relacionar os dois números, a fim de obter a dose máxima do produto escolhido.

Como a concentração dos agentes anestésicos varia, é importante que o dentista consulte as informações contidas na bula antes de fazer o seu cálculo. A quantidade de dois itens diferentes irá variar, mesmo que o peso corpóreo seja igual.

Em conclusão, calcular a anestesia necessária dependerá de cada agente e do peso do paciente. Também devem ser consideradas possíveis alergias e, especialmente, se o atendimento é de uma criança ou não, escolhendo o produto de acordo com esses fatores.

Como falamos na abertura deste texto, caso você queira se especializar em anestesia odontológica, inscreva-se em nosso curso.

Nós do Centro de Desenvolvimento em Odontologia (CDO) inovamos para trazer a você os melhores cursos de imersão, aperfeiçoamento e especialização odontológica do Brasil.

Todos os cursos odontológicos do CDO possuem emissão de certificado de conclusão e são ministrados por profissionais atuantes e referências no atendimento especializado.

Em alta

Tipos de candidíase na boca – causas e sintomas

Entenda o que causa candidíase em seus pacientes, os fatores de risco e tratamentos disponíveis. Esta infecção fúngica pode surgir por …

Ler matéria

Curso para aplicação de botox: quem pode fazer?

A aplicação da toxina botulínica é um dos procedimentos mais buscado em clínicas odontológicas por todo o país. Saiba como atuar nessa área!

Ler matéria

Quais são os músculos da face? Anatomia facial

Em um rosto existem diversos músculos que desempenham determinadas funções, como a reprodução de movimentos. Conheça agora quais são!

Ler matéria

Sintomas de disfunção temporomandibular e dor orofacial

A disfunção temporomandibular (DTM) é uma síndrome que atinge milhares de pessoas, independente da idade, sexo e raça, sendo muito mais comuns em mulheres adultas. Ao se especializar na área, o dentista será capaz de compreender as características das articulações maxilares, os músculos responsáveis pela mandíbula e poderá identificar os sintomas de disfunção temporomandibular e […]

Ler matéria

Como identificar cárie na radiografia panorâmica?

Você sabia que a radiografia é uma das principais formas de diagnosticar cárie? Veja o que é e como ela pode auxiliar no seu consultório!

Ler matéria

O que é pulpectomia e quem deve fazer?

Este procedimento odontológico faz a remoção da polpa dentária infectada ou doente. A pulpectomia costuma ser uma das etapas do tratamento …

Ler matéria

Outras matérias

O que é CAD/CAM na odontologia

O que é CAD/CAM na odontologia?

A tecnologia CAD/CAM permite a criação de próteses dentárias mais naturais, garantindo a satisfação dos seus pacientes. Confira as vantagens!

Sintomas de disfunção temporomandibular e dor orofacial

Sintomas de disfunção temporomandibular e dor orofacial

A disfunção temporomandibular (DTM) é uma síndrome que atinge milhares de pessoas, independente da idade, sexo e raça, sendo muito mais comuns em mulheres adultas. Ao se especializar na área, o dentista será capaz de compreender as características das articulações maxilares, os músculos responsáveis pela mandíbula e poderá identificar os sintomas de disfunção temporomandibular e […]

Quais os tipos de facetas dentárias

Quais são os tipos de facetas dentárias? Uma visão geral para orientar seu paciente

As facetas dentárias são utilizadas para corrigir diferentes tipos de imperfeições dentárias, tais como manchas e fraturas. Conheça os tipos!

Curso para aplicação de botox quem pode fazer

Curso para aplicação de botox: quem pode fazer?

A aplicação da toxina botulínica é um dos procedimentos mais buscado em clínicas odontológicas por todo o país. Saiba como atuar nessa área!