Implante

Quais são os tipos de enxerto ósseo dentário?

Tipos de enxerto ósseo dentário.

Tanto quanto o aspecto da saúde, os procedimentos dentários tem uma relação bastante próxima com a autoestima. Em ambos os casos, uma das funções de um dentista é, por meio do trabalho, oferecer qualidade de vida ao seu paciente. A depender da necessidade dele, o profissional vai recomendar o melhor tratamento.

Para pacientes com diagnóstico de perda óssea, por exemplo, uma das alternativas é o enxerto dentário. Embora ele apresenta um grau maior de complexidade, seus benefícios práticos são inúmeros.

O profissional da área da implantodontia deve conhecer quais são os tipos de enxerto ósseo dentário para adaptar o tratamento de acordo com a necessidade do paciente.

Se você deseja rever ou pesquisa pela primeira vez sobre o assunto, queremos convidá-lo a ler este artigo até o final. Abaixo explicamos detalhes sobre o que ele é e seus diversos tipos. Boa leitura!

O que é o enxerto ósseo dentário?

O enxerto é um recurso cirúrgico utilizado nos casos em que um implante dentário não pode ser realizado facilmente. Os motivos para isso estão quase sempre relacionados com a perda óssea, o que faz a mandíbula do paciente ficar mais fina ou mole.

O objetivo da cirurgia odontológica é aumentar a altura ou espessura dos ossos da gengiva, a fim de permitir que os implantes possam ser corretamente fixados. Por conta disso, o enxerto ósseo e os implantes dentários possuem uma relação bastante próxima.

Como funciona o enxerto ósseo dentário?

Como citado anteriormente, o enxerto ósseo é um procedimento cirúrgico. Nele (de maneira bem simplificada), retira-se um fragmento de osso e se coloca no novo local adequado, onde o paciente irá receber o posterior implante dentário.

O procedimento é feito em consultório e com anestesia local. Apesar de ser uma cirurgia, a sua duração não costuma ser muito longa, dependendo bastante do tipo de enxerto ósseo dentário a ser utilizado.

Saiba quais são os tipos de enxerto ósseo dentário

O enxerto ósseo pode ser feito de diferentes formas, de acordo com o tipo de osso utilizado. As três principais opções são:

  • Enxerto alógeno (também conhecido como homógeno); 
  • Enxerto autógeno;
  • Enxerto xenógeno (também chamado de heterógeno).

A diferença definidora entre os tipos de enxerto ósseo dentário é a origem do material que será utilizado na cirurgia. Ele pode ser humano (do próprio paciente) ou fragmentos animais.

Abaixo vamos explicar um pouco de cada um dos tipos de enxertos e quais são as suas principais vantagens, desvantagens e indicações. De maneira geral, porém, elas estão quase sempre relacionadas com as necessidades específicas de cada paciente.

Enxerto ósseo alógeno

Nesse primeiro tipo de enxerto dentário, o fragmento utilizado vem de um banco de ossos. A lógica por trás do procedimento é bem parecida com a de um transplante de órgãos, sendo necessário um rigoroso processo de avaliação do material doado.

Por ser um tipo um pouco mais complexo, ele também precisa ser criterioso. Isto significa dizer que o enxerto ósseo alógeno é indicado em situações específicas em que os outros tipos não são viáveis.

A principal situação para o uso do enxerto alógeno é quando existe a necessidade de uma quantidade elevada de fragmentos, o que torna impossível a retirada do próprio paciente. Nesses casos, a melhor alternativa é recorrer ao banco de ossos.

A sua principal vantagem é a quantidade diminuída de procedimentos cirúrgicos, sendo necessário somente o enxerto (já que não é preciso a retirada). Como desvantagem, ele é um procedimento mais demorado e com avaliações de compatibilidade.

Enxerto ósseo autógeno

Considerado o mais indicado dos tipos de enxerto ósseo dentário, o procedimento autógeno utiliza fragmentos do próprio paciente. Esse material pode ser retirado de partes da mandíbula e boca, bacia, tíbia e até mesmo do crânio.

Pela necessidade da retirada antes do enxerto, são necessários pelo menos dois processos cirúrgicos. É preciso que os ossos sejam fortes o suficiente para isso, mas se for o caso, esse é o tipo com a menor chance de rejeição e com a recuperação mais rápida.

Apesar disso, se a retirada do fragmento de osso for de partes do corpo que fogem da alçada do dentista (como da bacia, por exemplo), a primeira cirurgia deverá ser feita em um ambiente hospitalar e não em um consultório odontológico.

A maior vantagem, como citado anteriormente, é a diminuição das possibilidades do fragmento de osso ser rejeitado. Dessa forma, esse tipo de enxerto é priorizado acima dos outros dois na maior parte das situações.

Enxerto ósseo xenógeno

Xenógeno é o terceiro tipo de enxerto ósseo e usa o material de origem animal. O mais comum é utilizar o osso bovino (produzido industrialmente), mas equinos e suínos também são alternativas viáveis.

O enxerto xenógeno é indicado em uma situação muito específica, quando a sua aplicação será na maxila. Por conta do nível de delicadeza existente nesse procedimento, não é possível o uso de um pedaço de osso, apenas o pó.

Apesar do enxerto xenógeno exigir um nível maior de cuidado na sua realização, ele existe dentro de uma situação no qual é a melhor alternativa. A sua viabilidade, assim como nos outros casos, deverá ser definida pelo profissional que irá realizá-lo.

Acima de tudo, enxertos ósseos são procedimentos que requerem uma avaliação cuidadosa das possibilidades do paciente. Não existe um procedimento melhor ou pior, apenas o mais indicado em uma situação específica.

Se você pretende se aperfeiçoar nesta técnica, sugerimos que acompanhe de perto os novos cursos lançados pelo Centro de Desenvolvimento em Odontologia (CDO).

Nós temos uma série de treinamentos. Todos os cursos de extensão para dentistas possuem emissão de certificado de conclusão e são ministrados por profissionais atuantes e referências no atendimento especializado.

Se você gostou deste conteúdo sobre os diversos tipos de enxerto ósseo dentário, sugerimos que se inscreva em nossa newsletters. Vamos avisá-lo sobre os novos artigos e cursos lançados.

Leia também:

Diferenças entre anamnese e exame físico odontológico

Entenda o que é necropulpectomia

Em alta

Tipos de candidíase na boca – causas e sintomas

Entenda o que causa candidíase em seus pacientes, os fatores de risco e tratamentos disponíveis. Esta infecção fúngica pode surgir por …

Ler matéria

Curso para aplicação de botox: quem pode fazer?

A aplicação da toxina botulínica é um dos procedimentos mais buscado em clínicas odontológicas por todo o país. Saiba como atuar nessa área!

Ler matéria

Quais são os músculos da face? Anatomia facial

Em um rosto existem diversos músculos que desempenham determinadas funções, como a reprodução de movimentos. Conheça agora quais são!

Ler matéria

Sintomas de disfunção temporomandibular e dor orofacial

A disfunção temporomandibular (DTM) é uma síndrome que atinge milhares de pessoas, independente da idade, sexo e raça, sendo muito mais comuns em mulheres adultas. Ao se especializar na área, o dentista será capaz de compreender as características das articulações maxilares, os músculos responsáveis pela mandíbula e poderá identificar os sintomas de disfunção temporomandibular e […]

Ler matéria

Como identificar cárie na radiografia panorâmica?

Você sabia que a radiografia é uma das principais formas de diagnosticar cárie? Veja o que é e como ela pode auxiliar no seu consultório!

Ler matéria

O que é pulpectomia e quem deve fazer?

Este procedimento odontológico faz a remoção da polpa dentária infectada ou doente. A pulpectomia costuma ser uma das etapas do tratamento …

Ler matéria

Outras matérias

Procedimentos da cirurgia oral menor

Conheça os procedimentos da cirurgia oral menor

A cirurgia oral menor é uma especialidade que pode agregar valor ao seu consultório odontológico. Conheça os tipos e amplie suas habilidades!

Sintomas de disfunção temporomandibular e dor orofacial

Sintomas de disfunção temporomandibular e dor orofacial

A disfunção temporomandibular (DTM) é uma síndrome que atinge milhares de pessoas, independente da idade, sexo e raça, sendo muito mais comuns em mulheres adultas. Ao se especializar na área, o dentista será capaz de compreender as características das articulações maxilares, os músculos responsáveis pela mandíbula e poderá identificar os sintomas de disfunção temporomandibular e […]

Qual é a resina composta mais indicada para dentes posteriores

Qual é a resina composta mais indicada para dentes posteriores?

Você conhece os tipos de resinas compostas para dentes posteriores? Saiba que elas suportam uma maior pressão durante a mastigação. Confira!

O que é endodontia microscópica

O que é endodontia microscópica e por que usá-la em seu consultório?

Você conhece o diferencial da endodontia microscópica? Ela torna o tratamento mais seguro e menos invasivo. Saiba mais sobre o procedimento!